quarta-feira, 13 de abril de 2011

Creche pública no Rio de Janeiro: uma opção viável


Muito se fala, no mundo materno, sobre a melhor escolha para ficar com os filhos: a própria mãe, avós, babá, creche... As dúvidas são muitas. As realidades, diferentes. O sentimento de culpa, presente na maioria das vezes.

Mas não quero discutir esses pormenores, até porque muitas mães blogueiras já fizeram (e fazem) isso. Quero apenas compartilhar aqui minha experiência.

Minha filha está na creche desde os 4 meses e meio e não tenho muito o que reclamar. Pesamos vários aspectos antes de decidir sobre isso e, claro, o fato de minha mãe trabalhar na mesma creche em que ela ficaria contou muito.

Escolhi a creche porque as poucas pessoas disponíveis e confiáveis estavam ocupadas e não poderiam cuidar da minha bebê. Eu e marido precisávamos trabalhar. Avós também trabalham. Não temos condições para pagar uma babá. Então, a creche municipal perto de casa foi a melhor opção.



Não é só uma questão de quem vai ficar com minha filha, mas também de como o tempo dela será aproveitado. Quer dizer, antigamente a creche pública era para cuidar das crianças cujos pais trabalhavam fora. Isso acabou! Os parâmetros educacionais foram revistos e a creche passou a ser a primeira etapa no processo pedagógico da criança.

Ela, de certa forma, prepara a criança para outras etapas da educação infantil. Ajuda a desenvolver a sociabilidade, oralidade, criatividade, independência, auto-estima e muito mais. Agora, claro, amor de mãe é único, e isso a creche não consegue proporcionar. Até porque as turmas não são pequenas e imagine o trabalho que dá cuidar de mais de 20 crianças? São guerreiras aquelas mulheres...

Óbvio que seria ótimo ficar em casa com ela, mas sei também que faltaria algo: o convívio com os pares. E isso é enriquecedor! Deixar minha filha na creche não é só uma necessidade pessoal para trabalhar, mas uma oportunidade de convivência diversa, diferente da família, com crianças da sua faixa etária, compartilhando experiências e colaborando para seu desenvolvimento pedagógico.

Além das atividades pedagógicas específicas para cada faixa etária, as crianças recebem 4 refeições por dia (desjejum, almoço, lanche e jantar), uniforme, mochila e agenda para acompanhamento do dia a dia da criança e como meio de comunicação com os pais ou responsáveis. Tomam banho não só no horário determinado, mas sempre que fazem o "nº 2". Cochilam, brincam, enfim, "exercem" sua infância. São felizes.

Se para minha filha, a rotina da creche é importante, imagine para tantas outras crianças que talvez só se alimentem bem na creche? Que talvez só tenham carinho e atenção na creche? Que talvez só tomem banho (ao menos decentemente) na creche? É verdade! Conheço tantas histórias bizarras de mães desleixadas (e coisas piores), crianças mal nutridas, mal amadas, mal educadas (isso parece já não ser novidade, infelizmente)... Crianças que precisavam apenas de serem abraçadas, tocadas, acarinhadas, e que só conseguiram isso na creche. Triste, mas completamente real.

Nada nem ninguém é perfeito, concordo. Mas porque temos que falar só dos defeitos e esquecer o que a creche municipal carioca tem de bom? Lembrando que relato aqui uma opinião particular e específica, já que não posso garantir a qualidade de todas as creches disponíveis, sejam elas públicas ou particulares. Porém, considero importante partilhar o que vejo na creche pública onde minha filha está matriculada, para valorizar o "público" que em muitas áreas está deteriorado, abandonado - como a saúde, por exemplo.

Reclamar é sempre fácil, mas reconhecer algo bem feito... ah! Isso não dá audiência, não é mesmo?

Imagens daqui.


* * *

Tem alguma experiência com creche?
Discorda de algum ponto?
Comente, compartilhe e enriqueça o debate!


16 comentários:

  1. Concordo muuuuuito com sua última frase!!!!

    Minha filha estuda em um colégio federal considerado um dos melhores do país onde até ex presidentes da república estudaram e personalidades como Fernanda Montenegro e Mário Lago. Com 1ano e 10 meses entrou p/um creche da prefeitura, no Jardim Botânico onde eu morava na época, ficou lá por um ano e não tenho nada a reclamar sinceramente. Meu filho estuda me uma pré escola e pagamos 900pilas de mensalidade e não é muito diferente da escola da minha filha que tem custo 0.

    Ótima abordagem! Bjo grande!

    ResponderExcluir
  2. Oi, gostei muito desse assunto. Assim como tantas mães eu adoraria poder ficar o dia todo com minha filha, mas preciso trabalhar e então não tivemos outra opção a não ser ESCOLA. Minha pequena já ficou em escola muito bem paga e não gostei de muitas coisas que aconteceram, hoje ela frequenta creche pública e pra ser sincera não tenho do que reclamar, gosto muito!!!

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da objetividade do seu texto e da sua sinceridade ao compartilhar a experiência real e positiva que tem sido a realidade de sua família. Fico feliz, de verdade, por vocês terem achado um ninho para que ela esteja abrigada e protegida, recebendo estímulos e socializando-se enquanto vocês estão fora.
    E você tem razão quando diz que "reclamar é sempre fácil, mas reconhecer algo bem feito não dá audiência".

    Vou indicar a leitura. Abraços

    ResponderExcluir
  4. Pois é, Mari, pagando creche ou escola particular acabamos gastando dinheiro duas vezes: com as mensalidades e com os impostos que pagamos - e não são poucos - e cobrem toda a infraestrutura da creche, por exemplo.

    É, Ana, imaginei que não seria a única a ter essa boa experiência!

    Tiffany, realmente tem sido uma ótima experiência, sem perfeições, claro, mas que vale a pena.

    Obrigada pelos comentários, meninas!

    ResponderExcluir
  5. Admiro demais a decisão das mães que acreditam no ensino público e bancam a decisão de matricular os filhos.
    Só assim podemos investir na educação pública!
    Parabéns!!!
    Bjo

    ResponderExcluir
  6. Acho que tem razão, Anne. Se "usamos" um serviço público, podemos exigir com mais, digamos, propriedade. E como filha de educadora, fica muito difícil não me envolver nestas questões.

    ResponderExcluir
  7. Meu filho tem 2 anos. Tive a oportunidade de estar com ele. Agora chegou a hora da experiencia escolar. Estou no 3o dia. de adaptação em um novo modelo de creche - EDI - no Rio de Janeiro (Espaço de Desenvolvimento infantil). Nossa é uma mistura de sentimentos...deixá-lo, o ranço de "escola publica é o caos". Já percebo que as professoras são gerreiras e seguram uma super responsabilidade, nem sei como agradecer bem...de fato deveriam ter maior reconhecimento. E fiquei impressionada que falta gente na Escola...e com concursados que passaram e esperam??? Falta ainda muita evolução. A experiência total eu conto mais aqui depois desta fase de adaptação.

    ResponderExcluir
  8. acreditamos em bons exemplos olha o caso de florianópolis: http://movimentomunicipalista.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  9. Moro no Rio e meu filho ficou em uma creche particular dos 5 aos 12 meses. No início deste ano, quando ele completou 1 ano, optamos por colocá-lo numa creche municipal (EDI) e não me arrependo nem um pouco. Ele é bem tratado, tem se desenvolvido muito bem e as profissionais (apesar da falta de reconhecimento) têm me surpreendido por sua garra e dedicação. Fora a economia que fazemos, a antiga creche custava mais de R$900,00. Parabéns pelo texto! Concordo com vc nos aspectos levantados. Bjo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por comentar, Abel e Gisele!
      Perfeito nunca é, mas até hoje continuo aprovando e reconhecendo este trabalho. Bom demais saber que não sou a única!

      Excluir
  10. Moro no RJ e gostaria muito de colocar meu filho de 1 ano e 6meses numa creche publica.
    O problema é o horário... pois trabalho até as 18;00 e as férias escolares.
    alguém tem alguma dica para resolver meu problema??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cris, primeiro, muito obrigada pela visita e pelo comentário! Excluí seu outro comentário porque estava duplicado, ok?
      Segundo, se não tiver alguém para te ajudar nesse caso, ficando com seu filho, a creche pública ainda não é uma opção válida para você... :( Pelo menos não até implementarem as creches 24 horas (sim, parece que isso é cogitado, está nos planos da prefeitura).
      No meu caso, tenho suporte da minha mãe e meu marido também já ajudou MUITO. Mas se não tivesse ninguém com quem contar, teria que pagar uma babá ou vizinha/o, colocar numa creche particular ou... desistir de trabalhar - o que me deixaria bem triste.

      Excluir
  11. Que bom ouvir isso. Inscrevi meu filho para o o sorteio da creche publica em Copacabana mas ele não foi sorteado. To desesperada por que as creches na zona sul sao muito caras. Eu pagava R$1.500 para o integral. Fiz esse sacrificio ano passado mas esse ano nao rola mais.
    Voce tem alguma dica de creche mais acessivel na zonal sul ou centro do Rio?
    Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zô, não conheço creches particulares na zona sul nem no centro, mas (claro!) na zona norte e em alguns bairros da zona oeste os preços são mais camaradas, digamos. Se descobrir algo, te aviso. ;)

      Excluir
  12. OLÁ! DICAS DE CRECHES NA BARRA E ADJACENCIAS

    ResponderExcluir

Não vá embora sem deixar um comentário, né?
A melhor parte é o bate-papo... :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...